Geral

Geral - 21/02/2019
Entre laranjas e maçãs podres segue a reforma da Previdência Social do Brasil

Entre laranjas e maçãs podres segue a reforma da Previdência Social do Brasil

TEXTO: +A -A

Em meio à crise política que se perpetua no Brasil, entre laranjas e maçãs podres, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) entregou, nessa quarta-feira (20), a proposta da nova reforma da previdência ao presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM). Diferente do que pregava quando era deputado federal e, até mesmo durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse aos jornalistas, durante coletiva, que errou ao ter se posicionado contrário a reforma da previdência no passado. Assim, fica evidente quem é o verdadeiro interessado pela mudança.  Mas quem será o responsável por fazer o presidente mudar o posicionamento em 52 dias de mandato?

Em cenários contraditórios da política brasileira, os governantes mais uma vez preferem atirar no pé ao escolherem uma reforma que muito prejudicará os trabalhadores. Os especialistas já provaram e expuseram diversos estudos que comprovam que não há déficit, todavia, vale destacar que grandes empresas estão na lista negra e devem bilhões a previdência social. Será o presidente Bolsonaro o “Laranja” escolhido pelo grupo seleto de empresários e banqueiros? Difícil interpretar como um político que há 28 anos conhece a máquina, ou deveria conhecer, muda de opinião e entrega uma pauta de contexto crucial para todos.

As regras são perversas para todos, exceto para os militares, que a princípio ficarão fora das discussões. O presidente foi justo ao defender quem de fato protege a sociedade, em contrapartida esqueceu os professores – os responsáveis pela educação no país. Esqueceu-se também dos trabalhadores rurais que terão que contribuir obrigatoriamente por 20 anos, sendo que antes havia apenas a exigência de atividade no campo – a regra valerá para homens e mulheres. O projeto segue tramitando acelerado na Câmara dos Deputados, mas para a emenda ser aprovada deverá ter no mínimo 308 votos favoráveis dos parlamentares.

Se o governo vai conseguir esses votos não sabemos, mas esse joguinho é antigo – seja ele conduzido pela esquerda ou pela direita – as maçãs podres sempre aparecem no final para estragar todo cesto de frutas e, assim, amargam a vida de todos os brasileiros. O Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social (Sinprece) estará vigilante a todas as mudanças e cumprirá a agenda de lutas deliberada pelas centrais sindicais, tanto que no mesmo dia que o presidente entregou o documento, seguindo o calendário nacional de lutas, diretores da entidade, em Fortaleza, participaram de um ato na Praça do Ferreira.

A queda de braço está apenas começando, o executivo parece estar testando o povo, pois coincidência ou não, entregou o texto da reforma da previdência exatamente no dia que ocorreu uma grande manifestação nacional em defesa da Previdência. Precisamos nos fortalecer participando de todas as atividades convocadas pelo sindicato e centrais sindicais, caso contrário, “maçãs” e “laranjas” podres adoecerão nossa nação.